Em solenidade realizada no último dia 18, na sede da FIESP, o SIQUIRJ foi agraciado com o primeiro lugar na categoria Defesa Setorial do prêmio “Melhores Práticas Sindicais”, com o projeto ‘Defesa da competitividade da indústria de chapas de alumínio’.

O sindicato foi contemplado ainda com um prêmio na categoria Infraestrutura Administrativa, Financeira, de Sistemas e Recursos Humanos, com a prática “Contratação de Estagiários de Engenharia Química para as Atividades da Entidade”.

O prêmio “Melhores Práticas Sindicais”, com a participação de sindicatos filiados às duas federações, tem o objetivo de identificar e valorizar as ações e projetos desenvolvidos pelos sindicatos, além de promover a troca de experiências, o aprendizado contínuo e o incentivo à realização de novas ações.

O prêmio é dividido em quatro categorias: Infraestrutura Administrativa, Financeira, de Sistemas e Recursos Humanos; Comunicação, Programas de Associativismo e Promoção Comercial; Defesa Setorial; e Responsabilidade Socioambiental.

No Rio de Janeiro, o sindicato vencedor da categoria Defesa Setorial foi o SIQUIRJ.

Durante a solenidade, o presidente do Sistema FIRJAN, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, destacou a importância dos sindicatos. “Todos sabemos que uma indústria forte precisa de um sistema de representação participativo e organizado, no qual os sindicatos empresariais são um pilar fundamental. Por esse motivo, fortalecer esses grupos e ajudá-los a aumentar a sua base de associados sempre foi uma prioridade para o Sistema FIRJAN”, disse Eduardo Eugênio. Ele ressaltou ainda que “a prosperidade das empresas é a base da prosperidade de qualquer nação”.

O “case” vencedor do SIQUIRJ consistiu na intervenção, junto ao MDIC, na revogação da portaria 22/2010 que permitia a aprovação de projetos na Zona Franca de Manaus, beneficiando-se do Processo Produtivo Básico, interferindo no equilíbrio da concorrência no mercado de chapas de alumínio, prejudicando a Indústria Química do Estado do Rio de Janeiro.

Sem título
Isaac Plachta, Eduardo Eugênio e Paulo Skaf