Iniciando a gestão com uma reunião de trabalho, a nova diretoria plena do SIQUIRJ assumiu no dia 15 de agosto de 2013 o seu mandato para o triênio 2013-2016.

 

Na abertura da reunião, o presidente do SIQUIRJ, Isaac Plachta, procedeu o seguinte pronunciamento:

 

“Caros amigos, antes de iniciarmos a primeira reunião da diretoria plena do triênio 2013 – 2016, gostaria de lhes dirigir algumas palavras.

Agradeço pelo voto de confiança que recebi, dos meus companheiros de diretoria e dos nossos associados, para conduzir a nossa entidade por mais um mandato.

Proponho que continuemos nos reinventando para sermos criativos e determinados na missão de impulsionar o setor químico do estado do Rio de Janeiro.

Devemos fortalecer, consolidar, o clima de relacionamento – direto, franco e amigável – que por tradição estabelecemos com as entidades públicas e privadas que atuam em prol do crescimento econômico e social do nosso estado.

A disposição para conciliar interesses e circunstâncias nem sempre convergentes, faz parte do D.N.A. do SIQUIRJ. É a nossa forma de atuar.

A ação positiva, aglutinadora, do SIQUIRJ no contexto político e social do nosso Estado não significa passividade; seremos críticos e combativos na defesa dos interesses do empresariado da Indústria Química fluminense.

A crítica construtiva, bem colocada, revitaliza o debate e abre o caminho para que alternativas audaciosas, e mesmo surpreedentes, sejam testadas, aprimoradas e resultem, no final, que todos sejam beneficiados e vencedores no amadurecimento do desenvolvimento sustentável e socialmente inclusivo.

Na minha percepção, o SIQUIRJ se fortalece ao longo dos anos devido à estreita relação de amizade que se renova, continuamente, entre os membros da diretoria.

Vejo, sinto, que um processo virtuoso agrega os empresários, os associados e suas respectivas empresas, sem se distinguir claramente em que ponto as relações pessoais se transformam em mútuo apoio empresarial.

Esta união nos faz, a cada momento, mais fortes e mais legítimos como representantes dos anseios do setor químico fluminense; competentes para realizar a interlocução entre os seus associados e o governo.

A missão de realizar o desenvolvimento sustentável sera melhor sucedida na medida em que as percepções dos empresários sejam consideradas nas esferas governamentais, para favorecer o entrosamento das ações, estratégias e políticas públicas, com as necessidades mais prementes das empresas.

A Indústria Química nacional atravessa um momento difícil, de perda de competitividade, que é agravada pela situação macroeconômica do país, que debilita o ecossistema industrial.

Neste cenário as parcerias são fundamentais para o sucesso. E assim intensificaremos o trabalho comum com a FIRJAN, na busca de marcos regulatórios que simplifiquem a burocracia tributária e reduzam os encargos trabalhistas e garantam segurança para novos investimentos.

Finalizando, o SIQUIRJ, com base na sua união interna, na articulação com o governo e com entidades de classe empresariais, atuando como crítico e conciliador, deve buscar tantas parcerias quantas necessárias forem, em prol do desenvolvimento da indústria química fluminense e nacional.”