Atualmente a indústria nacional está submetida a dois grandes instrumentos de pressão. De um lado, as imposições do comércio internacional pela melhoria da competitividade e, do outro, as questões ambientais e as recentes condicionantes legais de gestão de recursos hídricos, particularmente as associadas à cobrança pelo uso da água.

Para se adaptar a esse novo cenário, a indústria vem aprimorando seus processos e desenvolvendo sistemas de gestão ambiental para atender às especificações do mercado interno e externo.

As opções se concentram: no reúso da água que constitui os efluentes gerados na própria indústria; no aproveitamento de águas pluviais de telhados ou pátios internos; e, eventualmente, no reforço das águas subterrâneas por meio de recarga artificial dos aquíferos subjacentes à própria indústria com efluentes industriais controlados e adequadamente tratados.

Considerando a importância da conservação e do reúso da água na indústria, a FIRJAN e o SEBRAE-RJ desenvolveram o Manual de Conservação e Reúso de Água na Indústria (clique aqui), para proporcionar, de maneira prática e direta, as orientações básicas para o desenvolvimento e a implantação de Planos de Conservação e Reúso de Água (PCRA).