Palavra do Presidente

Ao final do primeiro ano de um governo liberal na economia e conservador nos costumes, algumas promessas de campanha foram cumpridas a despeito da pequena base parlamentar do Executivo no Congresso.
A rejeição do Executivo à prática do “toma lá, dá cá”, ou seja, à velha política, levou os congressistas a se articularem para assumir as negociações de pautas do interesse do País, independentemente das respectivas correntes partidárias, revelando uma nova tomada de consciência dos agentes legislativos. Este protagonismo das casas parlamentares é inédito no Brasil e pode resultar em novas formas de articulação para aprovar reformas de interesse para todo o País.
Também não foi um ano perdido para a Indústria, segundo a Sondagem Industrial elaborada pela Confederação Nacional da Indústria, a melhora da atividade do setor industrial mostra continuidade e, ainda melhor, a aceleração deste processo. Apesar da sazonalidade característica, que costuma apresentar constante aumento na passagem do mês de setembro para outubro, os dados vão para além do fenômeno, não sendo apenas positivos, mas superior ao observado nos anos anteriores. Há quase cinco anos, a indústria não chegava à marca de 70% de uso de sua capacidade instalada, conforme o registrado na última sondagem.
Apesar do clima de insegurança jurídica, investidores começam a se movimentar. A mesma Sondagem Industrial da CNI mostra que o índice de intenção de investimento aumentou, alcançando seu melhor resultado desde fevereiro, sendo superior em 6,9 pontos à sua média histórica.
No Estado do Rio de Janeiro, as perspectivas das atividades do setor de petróleo renovam as nossas esperanças de acelerar o crescimento econômico da economia fluminense. Segundo dados da Firjan, o estado do Rio subiu para o segundo lugar no ranking de maiores estados exportadores do país em 2018. O destaque foi para indústria de Petróleo e Gás Natural com US$ 18 bilhões (63%), representando variação de 136% em relação a 2016. A perspectiva é de que para os próximos dez anos, a produção deve ser dobrada.
Neste contexto, de retomada lenta, mas verificada, o Siquirj se insere com sua sempre otimista postura em relação ao futuro. Cumprir o papel de agregador das forças empresariais do setor químico do Estado do Rio de Janeiro é a principal missão do Siquirj, visando potencializar a força do empresariado do Estado do Rio de Janeiro, bem como estar atento para utilizar de todos os meios à disposição para aproveitar as janelas de oportunidades que se abrem para o setor, conforme o atual contexto do pré-sal e a disponibilidade de petróleo e gás.
Com as promessas que o novo horizonte carrega consigo, verificamos com alegria que há muito a ser feito e o Siquirj quer se colocar sempre junto às empresas, no protagonismo do desenvolvimento de nosso estado e da nação.
O exercício de 2019 foi desafiador, devido às consequências da facultatividade da Contribuição Sindical. Exatamente por isso, agradecemos às empresas que contribuíram de diversos modos para o funcionamento de nossa entidade, em prol do setor químico, durante o ano. Sem as contribuições, não teria sido possível ao Siquirj ter continuado avançando na realização de uma gama de atividades em benefício das empresas.
Além das ações no âmbito legislativo, executivo e judiciário, defendendo as empresas nas mais diversas situações e de forma a se alcançar seus objetivos, destacam-se as ações de caráter associativo, realizando palestras, encontros, reuniões com Comissões Técnicas específicas (Meio Ambiente e Segurança, Recursos Humanos), resultando em um retorno frutuoso para o meio empresarial. Há que se ressaltar que o importante trabalho dessas Comissões Técnicas é a troca de informações entre as empresas, nos mais diversos aspectos, possibilitando a otimização e inovação de seus trabalhos dentro de suas unidades produtivas.
A associação e o apoio ao Siquirj também permitem a continuidade da obtenção de todos os benefícios do sindicato, bem como da Firjan e das instituições por ela administradas, como Sesi, Senai e IEL, que fazem parte do Sistema Indústria, que por sua vez, são benefícios exclusivos para as empresas associadas ao Sindicato.
Em 2019, o Siquirj continuou sua adaptação à nova realidade, visto que a Contribuição Mensal Social não é suficiente para a manutenção de seus serviços, buscando o equilíbrio em suas contas de acordo com a difícil situação pós-Reforma Trabalhista.
Na nova realidade, os sindicatos de trabalhadores têm encontrado soluções para arrecadação de suas receitas, com isso, mantendo suas atividades, sendo necessário que o segmento patronal não deixe de apoiar o seu respectivo sindicato, para manter sempre o equilíbrio nas relações de trabalho das empresas.
Portanto, para aproveitarmos em sinergia o novo momento que o país tem lutado por viver, unidos em prol de um futuro melhor, mais dinâmico, mais sustentável e com muito mais desenvolvimento inclusivo, para o aproveitamento de todos os agentes, principalmente nossas associadas, o Siquirj necessita que as empresas reflitam novamente, no início deste ano, sobre as formas de apoio à entidade patronal.
Certos de que o próximo ano nos trará excelentes notícias e de que juntos construiremos todos um futuro estável e benéfico, o Siquirj deseja a todos os nossos parceiros um excelente 2020.

Isaac Plachta
Presidente