A Reforma é questão de Estado

A reforma da Previdência proposta pelo atual governo é a mais abrangente e mais cidadã de todas as anteriores, porque elimina privilégios e distorções que transferem recursos públicos para as categorias melhor remuneradas. Assim, a reforma contribui para reduzir a desigualdade social. É uma tentativa audaciosa.
É com esta perspectiva que o Siquirj endossa a manifestação da Firjan:
“Firjan: aprovação da reforma da Previdência é imprescindível para retomada do equilíbrio fiscal.
A Firjan celebra a proposta de reforma da Previdência encaminhada pelo Governo Federal à Câmara dos Deputados. Além de abrangente, ao incluir todos os níveis de governo, trata-se de um conjunto de medidas justo do ponto de vista de distribuição de renda.
A aprovação da reforma é imprescindível para a retomada do equilíbrio fiscal no país e, consequentemente, para a sustentabilidade do crescimento econômico.
Os gastos no Brasil com Previdência e assistência representam mais da metade das despesas da União. Além disso, é importante destacar que o desequilíbrio das contas públicas está presente não só no Governo Federal, mas também nos estados e municípios, onde o déficit previdenciário se aproxima de R$ 92 bilhões. Para se ter uma ideia, 14 estados e 1.412 prefeituras não cumprem os limites legais para despesa de pessoal.
A aprovação da reforma da Previdência será o primeiro grande passo para a retomada do desenvolvimento econômico e social”
Esperamos que o Congresso dê sua contribuição ao discutir e fazer um ajuste fino na matéria, sem obstruções por motivos pouco republicanos. Depois de passar pelos parlamentares, é provável que haja uma ofensiva judicial partindo de categorias privilegiadas, na tentativa de preservas suas benesses. A reforma da Previdência está acima de interesses políticos e corporativos, é uma questão de Estado e tem que ser feita.